Profissional de saúde,

aqui você vai aprender a usar toda a potencialidade de ventiladores artificiais para combater a Covid-19. Estamos juntos!

Capacitação rápida

Prepare-se em 1h antes de receber os equipamentos, através de cursos rápidos

Converse com especialistas

Webinar com especialistas dos fabricantes em horários pré agendados

Faça sua pergunta

Um sistema de Inteligência Artificial via WhatsApp vai ajudar a encontrar as respostas

Dúvidas sobre o uso dos respiradores

FAQ

Não. Na entrada do módulo pneumático, duas válvulas regulam a pressão dos gases provenientes da rede do hospital ou de cilindros, procurando assegurar uma faixa adequada ao equipamento.

Não. Para a desinfecção interna do sensor de fluxo DISTAL, não utilize instrumentos
que possam gerar esforços mecânicos, como ar comprimido ou jato d’água, sob o risco
de danificar o filamento. Certifique-se que o sensor esteja completamente seco antes
de utilizar, pois o álcool residual poderá danificar o filamento.
Para a desinfecção:
• Desconectar o sensor distal da válvula expiratória e do cabo conector e aguardar 30
minutos.
• Mergulhar o sensor em solução de etanol a 70% por 1 hora
• Deixar secar naturalmente por 30 minutos em ambiente antes de montar
novamente no aparelho.

Não. A ventilação não altera, pois possui sincronização com a inspiração do paciente
e há compensação de volume e FiO2.

Não, apenas compatível com sensor “mainstream” IRMATM MASIMO (EtCo2) e
oxímetro de pulso Masimo MS-2040.

Sim, o uso do equipamento permite mesmo na falta de um dos gases (O2 ou ar
comprimido), continuar a ventilação. Caso utilize somente 02 ventila o paciente a 100%
de O2, se utilizar somente ar comprimido, ventila o paciente a 21%.

Sim, desde que os circuitos respiratórios sejam homologados pela Anvisa.

Até 50 l/min.

Sistema de “backup” de energia que permite operar com bateria por até 3 horas e
meia desconectado da rede elétrica.

Neonatais, pediátricos e adultos e adultos com obesidade mórbida.

Todas as informações disponíveis estão presentes no manual do usuário, mas de
maneira geral, todo o circuito, conectores, sensores proximais, linha de silicone, válvula
expiratória e diafragma devem ser enviados à autoclave.

Não, o álcool pode ressecar a película de silicone e danificar o funcionamento do
equipamento.

O tempo de alarme de silêncio dura 120 segundos (2 minutos).

A higienização, desinfecção ou esterilização é feita em autoclave.

Deve-se desligar o aparelho e selecionar no menu inicial a categoria desejada.

Sim, o Fleximag Plus atende neontal, pediátrico, adultos e adultos com obesidade
mórbida.

Sim, O Fleximag Plus atende neonatal prematuro extremo, pediátrico, adultos e
adultos com obesidade mórbida.

Não, o Fleximag Plus é bivolt com comutação automática para adaptação à rede
elétrica.

Sim, na tela inicial, selecione o tipo de paciente tocando sobre o ícone
correspondente. Uma vez identificado o tipo de paciente, serão exibidos os
requisitos para a realização do autoteste.

A ventilação não invasiva, VNI ou NIV encontra-se disponível para todos os modos
ventilatórios e é acessível através da janela de opções da ventilação (OPÇÕES VENT), o
ventilador capaz de compensar automaticamente fluxos de vazamento mais altos e
ignora os alarmes de volume minuto alto, volume corrente alto e verificação do sensor
de fluxo, após ser habilitado.

No menu monitor é possível visualizar até 28 parâmetros na tela.

O equipamento grava todos os eventos ocorridos nas últimas 72 horas de
ventilação, tais como parâmetros ventilatórios ajustados, principais valores
monitorados e todas as condições de alarmes durante esse período.
É possível observar as curvas de TENDÊNCIA de até 3 parâmetros ventilatórios
simultaneamente, dentre os 13 parâmetros disponíveis para seleção.

P0.1, Capacidade Vital lenta, Volume de Aprisionamento, Curva P/V Flex e Pi Max

Não, você tem a possibilidade de utilizar o sensor proximal ou distal.

Sim, é possível utilização da base umidificação aquecida.

O modo PLV é disponível apenas para neonatal e os modos a volume não é
habilitado para essa categoria, apenas o Volume Garantido.

Para utilizar o modo volume garantido, é necessário somente com sensor de fluxo
proximal NEONATAL e em modo PLV com VOLUME GARANTIDO ATIVADO.

Não. Na entrada do módulo pneumático, duas válvulas regulam a pressão dos gases provenientes da rede do hospital ou de cilindros, procurando assegurar uma faixa adequada ao equipamento.

Circuito respiratório, sensor de fluxo PROXIMAL, linha de silicone, válvula exalatória e diafragma.

Sua obrigatoriedade vai depender do protocolo da instituição atuante. O filtro HEPA é indicado para prevenir infecção cruzada entre paciente e o ventilador mecânico, vários artigos acadêmicos relacionam a alta eficiência do filtro HEPA para a filtração de bactérias e vírus.

Vale ressaltar que acessório se porta como um componente hidrofóbico e segundo os fabricantes de baixa resistência ao fluxo de ar.

Sim, através de um Blender externo, permite ajuste da concentração de FIO2 de 21% a 100%.

Sim, porém não haverá algumas monitorizações volumétricas do paciente. Além disso, perde monitorização gráfica, sendo possível somente a visualização da curva de Pressão x Tempo.

Sim, na válvula exalatória.

Sim, desde que os circuitos respiratórios sejam homologados pela Anvisa.

Sim, quando realizado o autoteste do ventilador com o circuito acoplado.

Até 40 l/min.

Deve ser higienizado em autoclave.

Sim, junto com o circuito e sensor de fluxo

O filtro HEPA é um filtro de retenção de vírus e bactérias com eficiência de filtragem em 99,9%, deve ser acoplado anteriormente à válvula expiratória, serve para evitar a disseminação de microrganismos no ambiente prevenindo infecção cruzada. O filtro HME é um trocador de calor colocado no Y do circuito, tem como papel aquecer e umidificar o ar da rede de gases por meio da condensação expiratória.

Sim, em qualquer modo ventilatório.

Sim, toque na tela – configurações – e habilite a função VNI

Dura 6,5 horas.

4 horas.

Não, deve ser deixado conectado na rede elétrica, mesmo com a carga total, para manutenção da vida útil da bateria.

Neonatais, pediátricos e adultos

Deve-se desligar e religar o aparelho e selecionar no menu o modo pediátrico.

Além obviamente da adaptação do correto circuito respiratório para cada categoria de paciente, é necessário acoplar no Y do circuito respiratório o conector de fluxo específico para o tipo do paciente, não esquecendo de conectá-lo ao ventilador mecânico por meio da linha de silicone.

Não

Não, mesmo recomendável, pode-se iniciar a ventilação sem fazer o autoteste

O recomendado é que seja feito a realização do autoteste diariamente, como uma rotina.

Não, o álcool pode ressecar a película de silicone e danificar o funcionamento do equipamento.

Não, o Oxymag possui um sistema de arrasto do ar atmosférico (sistema Venturi) que é possibilitado pela injeção de oxigênio medicinal. Sem o uso de Blender externo, pode-se ministrar de 35% até 100% de oxigênio.

Não, o Oxymag é bivolt com comutação automática para adaptação à rede elétrica.

Aperte o botão seletor e você conseguirá acessar a segunda linha de parâmetros respiratórios.

Sim, por até 120 segundos

A potência consumida máxima é 50W.

Pacientes neonatais, pediátricos e adultos.

O ideal é que após a troca de pacientes o Vento S seja desligado através da chave liga/desliga (no painel posterior) ou colocar o mesmo no modo espera (pressionar a tecla ESPERA) para a realização da rotina de limpeza e desinfecção do equipamento. Após o Vento S ser religado, o Vento S realizará a rotina de inicialização e recomenda-se a realização do Autoteste. Após o Autoteste, o usuário deverá inserir o peso do paciente. Dependendo do peso ajustado, o ventilador interpretará o tipo de paciente (neonatal, infantil ou adulto), conforme a tabela 1.

Para cada tipo de paciente, o ventilador possui uma modalidade de ventilação pré-configurada (modalidade default).

PESO AJUSTADOPACIENTEMODALIDADE DEFAULT
≤ 6 kgNeonatalPLV
> 6 e ≤ 30 kgInfantilVCV
> 30 e ≤ 200 kgAdultoVCV
Tabela 1 – Modalidades x Peso

Não é necessária a utilização de válvula reguladora de pressão de rede, quando as pressões estiverem dentro da faixa especificada.

O usuário deve realizar frequentemente esta drenagem, pois o acúmulo de líquido no filtro poderá influenciar no funcionamento do equipamento. Para drenar líquido do filtro é recomendado que o equipamento esteja desconectado da rede de gases, pois, caso contrário o líquido poderá ser lançado em todas as direções durante a drenagem. Para a realização da drenagem, o usuário deve:

  1. Posicionar um recipiente em baixo do filtro para receber o líquido.
  2. Girar o dreno no sentido horário até que o líquido comece a escoar no recipiente.
  3. Após drenar todo o líquido girar firmemente o dreno no horário evitando vazamentos.

Para trocar o elemento filtrante é recomendado que o equipamento esteja desconectado da rede de gases, pois, o vazamento do gás fará muito barulho durante a troca. Para a realização da troca, o usuário deve:

  1. Girar o reservatório no sentido horário até que se solte do restante do filtro.
  2. Girar o elemento filtrante no sentido horário até que se solte do restante do filtro.
  3. Fixar o novo elemento filtrante no filtro girando-o no sentido anti-horário.
  4. Fixar o reservatório no filtro girando-o no sentido anti-horário.

Não. No entanto, recomenda-se a sua realização do autoteste sempre que houver troca de paciente. Pois durante a execução do mesmo serão verificados pontos essenciais para assegurar o perfeito funcionamento do equipamento.

Não. Nunca se deve realizar o autoteste com o paciente conectado, pois o ventilador será submetido a condições extremas de fornecimento de fluxo e pressão que provavelmente causarão lesões ao paciente.

Sim.

Sim para uso em pacientes adultos.

O Vento S possui as seguintes modalidades para uso em pacientes adultos: VCV (Ventilação Controlada por Volume), PCV (Ventilação Controlada por Pressão), SIMV/P® (Ventilação Mandatória Intermitente Sincronizada/Controlada por Pressão), SIMV/V® (Ventilação Mandatória Intermitente Sincronizada/Controlada por Volume), CPAP/PS* (Ventilação com Pressão Positiva Contínua nas Vias Aéreas com Pressão de Suporte), PCV/AV (Ventilação Pressão Controlada com Volume Assegurado) e NIV (Ventilação Não Invasiva).

O Vento S possui as seguintes modalidades para uso em pacientes infantis: VCV (Ventilação Controlada por Volume), PCV (Ventilação Controlada por Pressão), SIMV/P® (Ventilação Mandatória Intermitente Sincronizada/Controlada por Pressão) e CPAP/PS* (Ventilação com Pressão Positiva Contínua nas Vias Aéreas com Pressão de Suporte).

O Vento S possui as seguintes modalidades para uso em pacientes neonatais: PCV (Ventilação Controlada por Pressão), PLV (Ventilação Limitada por Pressão – fluxo contínuo), SIMV/P® (Ventilação Mandatória Intermitente Sincronizada/Controlada por Pressão), SIMV (Ventilação Mandatória Intermitente Sincronizada – fluxo contínuo), BIPV® (Ventilação com dois Níveis de Pressão), CPAP/PS (Ventilação com Pressão Positiva Contínua nas Vias Aéreas com Pressão de Suporte).

Não.

O sensor de CO2 deve ser limpo com um pano umedecido com etanol ou álcool isopropílico.

Podem ser esterilizados na autoclave, os seguintes componentes: câmara do umidificador, drenos, intermediário em Y (90º ou reto), tubos corrugados em silicone, diafragma de válvula expiratória e o balão de látex. Leia o manual de operação para saber mais detalhadamente os processos de limpeza, desinfecção e esterilização dos components do Ventos S.

A manutenção preventiva periódica que deve ser realizada a cada 5000 horas de uso.

Atende adulto (peso de 25 a 200 kg), infantil (peso de 6 a 24 kg).

Uma versão antiga atendia neonatal atualmente a nova versão não atende mais.

Ventilador, base móvel com rodízios e 2 freio para o transporte, braço articulado, suporte para circuito ventilatótio, alça de transporte, umidificador aquecido. (opcional)

O equipamento não dispõe desse recurso, o servoventilador tem apenas a célula de oxigênio.

Sim, a célula tem como função medir em tempo real a fio2 ofertada pela rede de oxigênio.

Sim, possui capacidade de compensação de fugas em até 40 l/min, garantindo a pressão ajustada.

O equipamento acompanha um circuito adulto, para as demais quantidades é necessário comprar a parte.

São 8 modalidades, vcv -pcv -pcv/av-simv/v -simv/p-bipv-cpap/ps -niv-

Estando totalmente carregada, a bateria poderá manter o ventilador funcionando por aproximadamente 120 minutos (2 horas), em uma condição média de ventilação.

São necessários aproximadamente 20 horas, com o ventilador desligado.

Tela em lcd colorido de 15”, com resolução de 1024 x 768.

Não, ele dispõe de um sistema chamado easy touch.

Umidificador aquecido, braço articulado, extensão para o2, extensão para ar comprimido, manual de operação, circuito respiratório adulto silicone

Procurar o fabricante ou assistência técnica autorizada ktk.

Anualmente, porém segue rotina da instituição e algumas peças tem a sua verificação antes deste período, como o diafragma que a cada seis meses.

O equipamento é bivolt.

Sim. Existem alarmes de média prioridade que aparece em destaque no monitor de cor amarela e de alta prioridade que aparece em vermelho.

Falha de comunicação, bateria fraca, obstrução, ver linha e sensor, pressão alta, apneia, desconexão, baixa pressão o2, baixa pressão ar e o2, pressão alta, peep=pressão limite, fio2 alta, fio2 baixa, i:e > 4:1, relação i:e invertida ,peep baixo peep alto, frequência alta, volume minuto baixo, volume minuto alto, volume corrente alto volume corrente baixo, pressão baixa.

O default de fabrica vem 0.42 s (1:2) já no painel de controle e de 6 segundos até 12 segundos, pode ser usado qualquer um dos dois de acordo com objetivo desejado.

O equipamento mantém um fluxo contínuo na fase expiratória com ajuste 4 a 40 l/min. Este fluxo auxilia na compensação de vazamentos e diminuição da resistência do circuito respiratório.

Entra em parâmetros ajustáveis, parâmetro “nebulizador” , seleciona com o botão easy touch destacado em (azul) escolha entre nebulização e tgi em seguida confirmar.

Não, porém tem uma modalidade similar que é pcv/av a ventilação ocorre por pressão controlada, porém, ajusta-se um volume corrente alvo, e o equipamento ajusta a pressão limite a cada ciclo, para atingir o volume corrente pretendido.

Quando no monitor aparecer a mensagem bateria baixa, indica que a bateria possui aproximadamente 15 minutos de carga restante.

PROCURAR ASSISTÊNCIA TÉCNICA AUTORIZADA OU Primeiro entra em monitor parâmetro “célula de cal” ajustar em “cal” primeiro fazer a calibração em 21%, aparecera no monitor na parte inferior a mensagem “fio2 xx % calibrado” em seguida fazer o mesmo processo para 100% lembrando sempre de mudar em ventilador a fio2 para 100% e conectar o sensor de fio2 no ramo inspiratório.

A curva de fluxo irregular e volume corrente expirado zerado

São de 40 a 150 psi (280 1035 kpa) 50 a 70l/ min.

USADO PARA TRANSPORTE INTRA/EXTRA-HOSPITALAR E Sim, compensação automática da complacência do circuito respiratório.

Sim. Instalado no ramo exalatório depois do sensor de fluxo.

A função do fluxo de lavagem e manter um fluxo laminar constante evitando gotículas e sujidades para uma melhor precisão da leitura nos sensores fluxo. Esse fluxo e entre 2 e 10 (ml/min).

A ALIMENTAÇÃO DA REDE DE OXIGÊNIO, O MICROTAK NECESSITA NO
MÍNIMO 280Kpa/40,6 psi MÁXIMO 600k kPa/psi COM VAZÃO DE FLUXO
MÁXIMO 240L/MIN

NÃO, O MICROTAK TOTAL DEVE IR DIRETO NA REDE DE ALIMENTAÇÃO DE OXIGÊNIO, ESSAS VÁLVULAS REDUZEM CONSIDERAVELMENTE A PRESSÃO GERADA PELO OXIGÊNIO.

SIM, ATENDE.

O EQUIPAMENTO É BIVOLT.

VAZAMENTO DO CIRCUITO, CONTROLES IMPRÓPRIOS COMO PRESSÃO MÁXIMA BAIXA, FLUXO INSPIRATÓRIO BAIXO, E FREQUÊNCIA RESPIRATÓRIA.

CIRCUITO DOBRADO, DIAFRAGMA NA VÁLVULA EXPIRATÓRIA MONTADO ERRADO, DIAFRAGMA DANIFICADO E DIAFRAGMA COM SECREÇÃO.

SECREÇÃO, ÁGUA NAS TRAQUEIAS OU AJUSTES IMPRÓPRIOS PARA OS LIMITES DE ALARMES.

PRESSÕES DA REDE DE OXIGÊNIO ABAIXO DE 50 psi (345 kPa) E VÁLVULA REGULADORA DE OXIGÊNIO DESAJUSTADA.

FALHA NA ENERGIA ELÉTRICA, DESCONEXÃO ACIDENTAL DO CABO DE ENERGIA ELÉTRICA OU FUSÍVEL QUEIMADO.

AJUSTE IMPRÓPRIOS PARA O LIMITE DE ALARME OU VAZAMENTO.

SÃO NECESSÁRIAS DEZ HORAS PARA CARREGAR TODA A BATERIA.

ATENDE ADULTO, PEDIÁTRICO E NEONATAL

CIRCUITO RESPIRATÓRIO, EXTENSÃO DE OXIGÊNIO E MANUAL DE OPERAÇÃO.

SIM, É POSSÍVEL SOLICITAR O CONJUNTO DE BASE MÓVEL.

USO DE FLUXO CONTÍNUO, VÁLVULA DE FLUXO, MISTURADOR MECÂNICO E VÁLVULA ELETROMAGNÉTICA.

VCV, SIMV, CPAP, PLV.

NÃO, TEM TAMANHOS IGUAIS DE 1,10CM (COMPRIMENTO), PORÉM O DIÂMETRO SÃO DIFERENTES, ADULTO 22mm, PEDIÁTRICO 15mm E NEONATO 8mm.

SIM, ATENDE DE 1KG ATÉ 150KG.

SÃO ELES, VERIFIQUE REDE O2, DESCONEXÃO, APNÉIA, BATERIA FRACA,
PRESSÃO ALTA, PRESSÃO BAIXA, PEEP ALTO, PEEP BAIXO, OBSTRUÇÃO DA
EXP E SILENCIAMENTO DE ALARME.

TRAVAMENTO NO CONTROLADOR DE FLUXO, ENTRAR EM CONTATO COM A ASSISTÊNCIA TÉCNICA AUTORIZADA KTK OU O FABRICANTE.

ISSO OCORRE DEVIDO AO ENCOSTO DO DIAFRAGMA (OSTIA PRATEADA), NÃO ESTA BEM LOCADO NO DIAFRAGMA, QUE PODEM OCORRER ESSES DOIS ERROS.

RECOMENDAÇÃO DO FABRICANTE E ANUALMENTE, PORÉM SE HOUVER ALGUMA ANORMALIDADE PROCURAR ASSISTÊNCIA TÉCNICA AUTORIZADA KTK.

12 MESES DE GARANTIA.

PROCURAR ASSISTÊNCIA TÉCNICA AUTORIZADA OU FABRICANTE .

NÃO, PROCURAR E ASSISTÊNCIA TÉCNICA AUTORIZADA OU FABRICANTE.

É FEITA POR VENTURI A MISTURA 50% OXIGÊNIO E 50% DE AR AMBIENTE CAPITADO PELA TOMA DE AR DO MICROTAK TOTAL .

USADO PARA TRANSPORTE INTRA/EXTRA-HOSPITALAR E USO CONTÍNUO EM PRONTO SOCORRO E UTIS.

240 MINUTOS – 4 horas de autonomia (volume corrente de 400ml, frequência de 12 e concentração de O2 em 75%).

É POSSÍVEL SOLICITAR O CONJUNTO DE BASE MOVÉL.

QUANDO HOUVER MAIS DE UM ALARME, FICARA EM DESTAQUE NA TELA PRINCIPAL O DE MAIOR IMPORTÂNCIA.

Possíveis problemas:

Ambas entradas de Ar e O2 não estão conectadas.

Solução: Verificar as conexões de Ar e O2 (Capítulo. 3 do manual)

Válvula de Exalação e diafragma não estão corretamente montados.

Solução: Verificar se o diafragma e a válvula de exalação estão montados adequadamente como indicado no Capítulo 3 do manual, Conexão da Válvula de Exalação.

Falha durante a inicialização do ventilador, sensores internos ou atuadores.

Solução: Pressione o botão para reiniciar a verificação. Se o problema persistir, Press the button to restart verification. Se o problema persistir, contatar a Vyaire ou o Serviço Técnico Autorizado Vyaire para providenciar o reparo do ventilador.

Manual: Download

Possíveis problemas:

Vazamento no circuito paciente está fazendo com que o ventilador auto- cicle.
Solução: Verificar vazamentos no circuito paciente.

Diminuir a sensibilidade do disparo por fluxo ou alterar o disparo de fluxo para pressão.
Solução: Assegurar que o Peso Ideal esteja configurado corretamente.

Montagem inadequada da válvula de exalação.
Solução: Verificar se a válvula de exalação está montada de acordo com a orientação do Capítulo 3 do manual.

Montagem inadequada das conexões de TGI ou Nebulização.
Solução: Se as funções TGI ou Nebulização estiverem ligadas, verificar se as conexões correspondentes estão montadas de acordo com a orientação do Capítulo 3 do manual.

Manual: Download

Possíveis problemas:
Sensibilidade ajustada inadequadamente.
Solução: Ajustar a sensibilidade para detectar os esforços do paciente.

Manual: Download

Possíveis problemas:
Perda da leitura da pressão proximal.
Solução: Verificar se a linha proximal está em perfeito estado e devidamente conectada no equipamento.

Manual: Download

Possíveis problemas:
Quando configurado sem Pausa Insp ou na ausência do comando de Pausa Insp Manual, o ventilador desabilita o campo PPlat.
Solução: Configure uma Pausa Insp ou ative o comando Pausa Insp Manual para obter o valor de P Plat.

Manual: Download

Possíveis problemas:
O ajuste de PEEP está acima do ajuste do alarme de Pressão Alta.
Solução: Ajustar adequadamente os parâmetros
PEEP e Pressão Alta.

Manual: Download

Possíveis problemas:
A função Pausa Insp Manual é habilitada somente na presença de ciclos assistidos e/ou controlados.
Solução: Verificar se existe frequência respiratória programada.

Manual: Download

Possíveis problemas:
Alarme de Pressão Inspiratória Alta impede que o volume seja entregue no período inspiratório.
Solução: Verificar se o alarme está corretamente ajustado.
Aspirar o paciente.
Verificar se o filtro higroscópico está saturado.

Sensor de fluxo proximal com problema.
Solução: Providenciar a troca do sensor de fluxo proximal.

Vazamentos no circuito paciente.
Solução: Verificar a integridade e montagem do circuito paciente e suas partes.

Manual: Download

Possíveis problemas:
Bateria incorreta conectada na porta Bat Ext.
Solução: Substitua a bateria externa por uma indicada no Capítulo 1, Fontes de Alimentação.
Realize o TVF (Teste de Verificação Funcional) para verificar se o equipamento não está danificado. Se o equipamento estiver danificado, Contatar a Vyaire ou o Serviço Técnico Autorizado Vyaire.

Manual: Download

Possíveis problemas:
Parâmetro Suspiro está ativo.
Solução: Desligar esse parâmetro.

Manual: Download

Possíveis problemas:
Sensor de Fluxo Expiratório com problema.
Solução: Providenciar a troca do sensor de Fluxo Expiratório.

Com um Sensor de Fluxo conectado corretamente, aparece a mensagem “Sem Sensor” e/ou o alarme de “Sensor de Fluxo Desconectado” é acionado.

Manual: Download

Possíveis problemas:
Sensor de Fluxo com problema.
Solução: Providenciar a troca do sensor de Fluxo.

Sensor de Fluxo Proximal Adulto conectado.
Solução: Trocar pelo Sensor de Fluxo Expiratório. O Sensor de Fluxo Proximal Adulto não é compatível com esta versão.

Falha no sensor ótico da placa de detecção do Sensor de Fluxo.
Solução: Contatar a Vyaire ou o Serviço Técnico Autorizado Vyaire.

Manual: Download

Possíveis problemas:
Este parâmetro é consequência direta da frequência respiratória total (Freq Total) e do volume corrente exalado (Vol exp).
Solução: Verificar se os valores de frequência respiratória total (Freq Total) e do volume corrente exalado (Vol exp) estão dentro do esperado.

Manual: Download

Possíveis problemas:
Pressão de entrada de oxigênio e/ou de ar comprimido está baixa.
Solução: Ajustar ambas as pressões de entrada dentro da faixa especificada de 250 kPa a 600 kPa (2,5 kg/cm2 a 6,0 kg/cm2).

Sensor de oxigênio descalibrado.
Solução: Contatar a Vyaire ou o Serviço Técnico Autorizado Vyaire.

Fonte de alimentação pneumática inadequada com baixa concentração de O2.
Solução: Providenciar uma fonte de alimentação pneumática adequada.

Manual: Download

Possíveis problemas:
Falha no sensor de oxigênio.
Contatar a Vyaire ou o Serviço Técnico Autorizado Vyaire.

Manual: Download

Possíveis problemas:
Parâmetro de Pausa Inspiratória
(Pausa Insp) está ativo.
Solução: Desativar a Pausa Inspiratória (Pausa Insp) ou considerar a mesma na verificação do cálculo mostrado na tela.

Relação é dependente dos parâmetros de fluxo e frequência respiratória.
Solução: Verificar se os parâmetros de fluxo e frequência estão dentro do esperado.

A relação I:E atingiu o limite 3:1 (nas modalidades cicladas a volume) ou 4:1 (nas modalidades cicladas a tempo).
Solução: Nas modalidades cicladas a tempo, diminuir o Tempo Inspiratório (T Insp).
Nas modalidades cicladas a volume, aumentar o fluxo (Fluxo Insp) e/ou diminuir o volume (Volume).

Manual: Download

Possíveis problemas:
Obstrução no circuito paciente.
Solução: Verificar o estado dos filtros acoplados ao circuito paciente, caso aplicável.
Verificar o acúmulo de água ou impurezas no sensor de fluxo.
Verificar se os tubos do circuito paciente não estão dobrados, obstruindo a livre passagem do fluxo.

Manual: Download

Possíveis problemas:

Obstrução no circuito paciente.
Solução: Verificar o estado dos filtros acoplados ao circuito paciente, caso aplicável.
Verificar o acúmulo de água ou impurezas no sensor de fluxo.
Verificar se os tubos do circuito paciente não estão dobrados, obstruindo a livre passagem do fluxo.

Perda da leitura da pressão proximal.
Solução: Verificar se a linha proximal está em perfeito estado e devidamente conectada no equipamento.

A resistência inspiratória (R insp) é dependente dos parâmetros P Insp, PEEP e Fluxo.
A resistência expiratória (R exp) é dependente dos parâmetros
P Platô, PEEP e PEF.
A variação pode estar relacionada a um dos parâmetros que compõem o valor calculado.

Solução: Verificar se os parâmetros indicados estão dentro do esperado.
No caso da R exp, configurar uma Pausa Insp ou pressionar Pausa Insp Manual para obter um valor válido de P Platô e, consequentemente, de R exp.

Manual: Download

Possíveis problemas:
Quando configurado sem Pausa Insp ou na ausência de Pausa Insp Manual, o ventilador desabilita o campo R Exp.
Solução: Configure uma Pausa Insp ou ative o comando Pausa Insp Manual para obter o valor de R Exp.

Manual: Download

Possíveis problemas:

Vazamentos no circuito paciente.
Solução: Verificar a integridade e montagem do circuito paciente e suas partes.

Perda da leitura da pressão proximal.
Solução: Verificar se a linha proximal está em perfeito estado e devidamente conectada no equipamento.

A complacência estática é dependente dos parâmetros Vol exp, P Platô e PEEP. A
variação pode estar relacionada a um dos parâmetros que compõem o valor calculado.

Solução: Verificar se os parâmetros indicados estão dentro do esperado.
Configurar uma Pausa Insp ou pressionar Pausa Insp Manual para obter um valor válido de P Platô e, consequentemente, de C Est.

Manual: Download

Possíveis problemas:

Quando configurado sem Pausa Insp ou na ausência de Pausa Insp Manual, o ventilador desabilita o campo Cstat.
Solução: Configure uma Pausa Insp ou ative o comando Pausa Insp Manual para obter o valor de Cstat.

Manual: Download

Possíveis problemas:
Vazamentos no circuito paciente.
Solução: Verificar a integridade e montagem do circuito paciente e suas partes.

Perda da leitura da pressão proximal.
Solução: Verificar se a linha proximal está em perfeito estado e devidamente conectada no equipamento.

A complacência dinâmica é dependente dos parâmetros de Volume, P Insp e PEEP. A variação pode estar relacionada a um dos parâmetros que compõem o valor calculado.
Solução: Verificar se os parâmetros indicados estão dentro do esperado.

Manual: Download

Possíveis problemas:
Violação da regra dos 3/4 (relação I:E deve ser menor que 3:1 em modos ciclados a volume).
Solução: Para permitir ajustes acima do valor limitado pela regra, aumentar o Fluxo Inspiratório (Fluxo Insp), diminuir a frequência respiratória (Freq) ou diminuir o Tempo da Pausa Inspiratória automática (Pausa Insp).

Manual: Download

Possíveis problemas:
Valores inferiores ao valor limitado resultam em Tempo Inspiratório
(T insp) < 100 ms.

Solução: Para permitir ajustes abaixo do valor limitado pela regra, diminuir o Fluxo Inspiratório (Fluxo Insp).

Manual: Download

Possíveis problemas:
Violação da regra dos 3/4 (relação I:E deve ser menor que 3:1 em modos ciclados a volume).
Solução: Para permitir ajustes acima do valor limitado pela regra, diminuir o volume controlado (Volume), diminuir a frequência controlada (Freq) ou diminuir o Tempo da Pausa Inspiratória automática (Pausa Insp).

Manual: Download

Possíveis problemas:

Valores inferiores ao valor limitado resultam em Tempo Inspiratório
(T insp) < 100 ms.

Solução: Para permitir ajustes abaixo do valor limitado pela regra, aumentar o volume controlado (Volume).

Manual: Download

Possíveis problemas:
Violação da regra dos 3/4 ou 4/5 (relação I:E deve ser menor que 3:1 em modos ciclados a volume ou 4:1 em modos ciclados a tempo).
Solução: Para permitir ajustes acima do valor limitado pela regra, diminuir o volume controlado (Volume), aumentar o Fluxo Inspiratório (Fluxo Insp) ou diminuir o Tempo da Pausa Inspiratória automática (Pausa Insp) em modos ciclados a volume, ou diminuir o Tempo Inspiratório (T Insp) nos modos ciclados a tempo.

Manual: Download

Possíveis problemas:
Violação da regra dos 4/5 (relação I:E deve ser menor que 4:1 nos modos ciclados a tempo).
Solução: Para permitir ajustes acima do valor limitado pela regra, diminuir a frequência controlada (Freq).

Manual: Download

Possíveis problemas:

Violação da regra dos 3/4 (relação I:E deve ser menor que 3:1 nos modos ciclados a volume).
Solução: Para permitir ajustes de tempo de Pausa Inspiratória automática (Pausa Insp) acima do valor limitado pela regra, diminuir o volume controlado (Volume), diminuir a frequência controlada (Freq) ou aumentar o Fluxo Inspiratório (Fluxo Insp).

Manual: Download

Possíveis problemas:
Alteração do modo de ventilação.
Solução: Ajustar um novo tempo de Pausa Inspiratória (Pausa Insp) após toda troca de modo de ventilação, caso desejado.

Manual: Download

Possíveis problemas:
Ventilador permanentemente ligado em rede AC, bateria externa ou bateria interna.
Solução: Mantenha a tecla Pausar Áudio/Limpar Alarmes pressionada por 10 segundos. Caso não resolva: Contatar a Vyaire ou o Serviço Técnico Autorizado Vyaire para providenciar o reparo do ventilador.

Manual: Download

O GLxHC20 é indicado para uso somente em pacientes adultos, em unidades de terapia intensiva, semi-intensiva, pós-operatórios e nas salas de recuperação pós-anestésica (RPA).

O GLxHC20 possui 3 modalidades para uso em pacientes adultos: Ventilação Controlada por Volume – VCV, Ventilação Controlada por Pressão – PCV e Ventilação com Suporte Pressórico – PSV.

Não é necessária a utilização de válvulas reguladoras de pressão de rede para O2 e ar comprimido, caso o fornecimento de gás esteja dentro do intervalo de pressão de 3,5 a 6 bar.

A capacidade de volume corrente é de 100ml a 1200ml.

A autonomia da bateria com carga completa a 25 ◦C é de 120 minutos.

Não. No entanto, recomenda-se a sua realização do autoteste sempre que houver troca de paciente. Pois durante a execução do mesmo serão verificados pontos essenciais para assegurar o perfeito funcionamento do equipamento.

Não. Nunca se deve realizar o autoteste com o paciente conectado, pois o ventilador será submetido a condições extremas de fornecimento de fluxo e pressão que provavelmente causarão lesões ao paciente.

Não.

Para ajustar a modalidade ventilatória, siga os passos:

  • Inicialmente, certifique-se que a tela do ventilador esteja desbloqueada, identificada pelo cadeado aberto. Caso esteja bloqueada, clique no cadeado para desbloquear a tela.
  • Clique no quadrado, o qual indica qual modo ventilatório está ativo.
  • O ventilador apresentará uma tela com as opções para escolha do novo modo ventilatório.
  • Clique no modo ventilatório desejado.
  • Pressione o botão de seleção para confirmar o novo modo ventilatório.
  • Configure os parâmetros ventilatórios específicos da nova modalidade ativa, clicando em cada parâmetro, ajustando seu valor com o botão de seleção e clicando no mesmo para confirmar o novo valor.
  • Para confirmar todas as alterações, clique em F5

e posteriormente em F10 .

Para ajustar a sensibilidade do drive, siga os passos:

  • Inicialmente, certifique-se que a tela do ventilador esteja desbloqueada, identificada pelo cadeado aberto. Caso esteja bloqueada, clique no cadeado para desbloquear a tela.
  • Clique no quadrado, o qual indica qual modo ventilatório está ativo.
  • O ventilador apresentará uma tela com as opções disponíveis para ajustes do modo ventilatório, dos parâmetros ventilatórios específicos da modalidade ativa no momento e abaixo da tela, em “configurações adicionais” você poderá ajustar a sensibilidade do drive.
  • Clique no valor atual da sensibilidade do drive, que ficará em destaque.
  • Use o botão de seleção para escolher o novo valor.
  • Pressione o botão para confirmar o novo valor.
  • Para confirmar todas as alterações, clique em F5

e posteriormente em F10 .

Para ter acesso ao histórico de alarmes, siga os passos:

  • Inicialmente, certifique-se que a tela do ventilador esteja desbloqueada, identificada pelo cadeado aberto. Caso esteja bloqueada, clique no cadeado para desbloquear a tela.
  • Clique em F6 que correspondente ao ícone “listar alarmes” .
  • Uma tela com a lista dos alarmes ativos no momento será apresentada.
  • Nesta tela, para você verificar o histórico de alarmes, deve clicar na tecla F2, que corresponde ao ícone histórico de alarmes . Com isso, terá acesso ao histórico de alarmes disparados no ventilador.
  •  Para voltar a tela principal, clique em F10, que corresponde ao ícone “confirmar” .

Não.

A Greylogix recomenda alguns métodos de limpeza da válvula exalatória, são eles:

  • Óxido de Etileno (55% p/p);
  • Ácido peracético;
  • Detergentes enzimáticos (aplicados a limpeza).

A manutenção preventiva do GLxHC20 deverá ser realizada de acordo com os tempos de uso dispostos na tabela a seguir:

ManutençãoHoras de Uso
1a1500 horas
2a3000 horas
3a5000 horas
4a7000 horas
5a9000 horas
Tabela – Manutenção Preventiva

Não. A Greylogix recomenda a utilização apenas de oxigênio e ar comprimido no equipamento.

Não. Recomenda-se a utilização do ventilador pulmonar apenas em ambientes de: terapia intensiva, semi-intensiva, pós-operatórios e nas salas de recuperação pós-anestésica (RPA).

Em caso de falha no item fluxo exalatório durante autoteste deve-se verificar as seguintes variáveis externas ao ventilador:

  • Deve checar os níveis de pressão das redes dos gases, devendo estar dentro da faixa de 3,5 a 6 bar de pressão.
  • Correta conexão das mangueiras de admissão dos gases no equipamento.
  • Correta montagem da válvula exalatória, está que por sua vez conta com uma membrana interna que tem um lado correto de montagem.  
  • Conexão correta das traqueias ao ventilador.
  • Saída corretamente ocluída.

Sim. Para o correto desligamento do ventilador pulmonar recomenda-se seguir os seguintes passos caso o equipamento esteja ventilando:

  • Clicar no botão abaixo da indicação “Modo Espera”, confirmar a opção na caixa de seleção que irá aparecer.
  • Clicar no interruptor de energia na parte traseira do equipamento.

O ventilador pulmonar é equipado com um sistema que identifica desligamentos acidentais quando esse está ventilando, e por segurança quando for religado ele irá alarmar e retornará ventilando com os parâmetros anteriores. Caso o intuito seja desligar o equipamento após seu uso, recomenda-se seguir os passos acima descritos.